[VÍDEO] Luzes estranhas pairando sobre a Noruega

A presença de bolas estranhas de luz pairando sobre um vale no centro da Noruega tem confundido os cientistas há anos.
Conhecido como o Fenômeno Hessdalen, as esferas de luzes aparecem piscando e são grandes atrativos para os ufólogos que confundem com OVNIS.  Os cientistas consideram que as luzes incomuns podem ser formadas por uma “bateria” natural enterrada no subsolo, criada por minerais metálicos que reagem com um rio sulfuroso que passa por eles.  Se a teoria for provada como correta, poderia vir ai uma nova forma de armazenar energia. Algumas das luzes derivam suavemente pelo céu por até duas horas, enquanto outros piscam em cores brancas ou azul e pairam através do vale, desaparecendo em segundos, relatou a New Scientist. Um engenheiro de computação chamado Erling Strand da Universidade Ostfold na Noruega, tem procurado a física por trás do fenômeno natural desde 1982, quando shows de luzes freqüentes chamou a atenção da imprensa e cientistas.

Ele montou Projeto Hessdalen em uma tentativa de unir especialistas tentando desvendar o mistério de como se formam as luzes misteriosas, e foi capaz de rapidamente descartar as teorias de que as luzes vinham de aviões, veículos ou edifícios.
Os pesquisadores notaram uma pequena oscilação no campo magnético das áreas antes da formação das luzes, mas quando eles mediram a radioatividade e atividade sísmica – ambos os quais podem causar tal fenômeno – não havia nada de incomum nas 248 milhas do local (400 km) ao norte de Oslo. Uma equipe internacional de especialistas, em seguida, mediram o tamanho, forma e velocidade das esferas usando radar e análise espectral de examinar os elementos que compõem a luz.

VEJA O VÍDEO

Os pesquisadores revelaram que as luzes não fazem nenhum som, não deixam quaisquer marcas de queimaduras no chão, ao contrário de um raio bola. Elas, no entanto esterilizam a área de contato, matando os micróbios do solo.
Jader Monari do Instituto de Radioastronomia em Medicina, Itália, estudou o site Hessdalen desde 1996 e descobriu que as rochas no vale são ricos em zinco e ferro de um lado do rio que passa por ele, e rico em cobre no outro lado.
‘Se houver enxofre na água  e no meio, o local seria uma bateria perfeita “, disse.

Alguns especialistas acham que o fenômeno é algum tipo de plasma que produz a luz, talvez ele se comporte como um gás ionizante em forma de uma nuvem de íons e elétrons – plasma – que produzem luz. Plasmas podem ser frios ao toque e também pode matar micróbios, mas eles exigem temperaturas incrivelmente altas e uma grande oferta de energia para serem produzidos.
Outros acreditam que as luzes são um tipo de raio bola porque bolas semelhantes de luz vistos e analisados ​​na China mostrou que eles foram formados de silício, ferro e cálcio – que estão presentes nas luzes Hessdalen, juntamente com a adição de um elemento chamado escândio. Mas as luzes Hessdalen não aparecem quando há um raio, levando Dr. Hauge para sugerir outra idéia.
Ele propôs que a forma do vale, o clima e a geologia gerariam uma carga elétrica em massa e que a eletricidade estática nas montanhas era açoitada por fortes ventos.

Outros especialistas acreditam que as luzes são alimentadas por radioatividade e decaimento do radônio na atmosfera. Eles acham que as luzes são feitas de ‘plasma empoeirado’ contendo partículas de poeira ionizados.
Eles vão procurar a presença de radônio no vale para testar a sua ideia de que as bolhas de gás pode entrar em erupção a partir do solo, pegar poeira e entrar no ar como uma esfera brilhante.
Seja qual for a razão para a formação de luzes, a resposta poderia levar a uma nova forma de armazenar energia.
“Se nós temos algum tipo de instalação que poderíamos pegar partículas carregadas e trancá-los lá dentro, então você pode armazenar energia”, disse o Dr. Hauge.

Fonte: Project hessdalen, NewScientist

Deixe seu comentário