Japão anunciou que voltará a matar baleias mesmo com a proibição

Japão novamente está sob fortes críticas de outros países e de grupos de conservação ambientais depois de anunciar que irá retomar as operações baleeiras no Oceano Antártico, sob o pretexto de recolher “dados científicos”. Em novos documentos apresentados àComissão Baleeira Internacional (CBI), Joji Morishita, comissário do IWC japonês, disse que seu país começará um novo programa de caça às baleias no Mar Antártico – também conhecido como o Oceano Antártico ou Oceano Austral – o país está com os planos de matarem 333 baleias por ano, a matança começará no início de 2016. Este é um terço da quantidade de animais capturados anualmente no programa de caça anterior que o Japão tinha na área antes da proibição

2

“Com o intuito de alcançar a conservação dos recursos antárticos, enquanto os usa de maneira sustentável e afim de compreender e prever os efeitos dos fatores; como as alterações climáticas, é cientificamente imperativo obter-se uma compreensão exata de muitos aspectos do ecossistema marinho antártico incluindo seus animais e sua dinâmica através da recolha, acumulação, e análise de dados científicos “, aconselha o plano de pesquisa baleeira do Japão.

As operações baleeiras anteriores comandadas pelo Japão no Oceano Antártico, terminaram depois de uma decisão emitida pelo Tribunal Internacional de Justiça (CIJ) em março de 2014. O Japão havia afirmado que a sua caça de baleias na região foi justificada por motivos de investigação no âmbito da Convenção Internacional de 1946 para a Regulação da Atividade Baleeira , mas o tribunal decidiu de outra forma, considerando que a soma da sua produção de pesquisa em quase uma década – foi de apenas dois estudos baseados em pesquisas sobre nove espécimes de baleias – o que não justificou a grande e maior parte da matança.

1

“À luz do fato, o suposto “programa de pesquisa” vem acontecendo desde 2005, e tem envolvido a morte de cerca de 3.600 baleias minke, e a produção científica até agora parece mínima”, disse o juiz presidente Peter Tomka da Eslováquia. Apesar do que disse a sincera consideração da decisão e o raciocínio da CIJ, o Japão já anunciou que vai voltar a caçar as baleias no Oceano Antártico de qualquer maneira, mas dessa vez com um novo programa alterado – uma decisão que tem sido recebida com indignação pelos grupos de conservação e representantes de outras nações.

“Nós não aceitamos de forma alguma, forma a desculpa do conceito de matar baleias para a chamada “pesquisa científica “,” disse Greg Hunt, ministro da Austrália para o ambiente. “O Japão não pode decidir isso unilateralmente. Não há necessidade de matar baleias em nome da pesquisa. Técnicas de pesquisas não-letais são mais eficazes e eficientes para se estudarem todos os cetáceos. “

O historiador Jeff Kingston, que mora em Tóquio, disse ao jornal The Japan Times que a volta da atividade baleeira desrespeita o Estado de direito e terá repercussões negativas que superarão qualquer potencial para a indústria baleeira do país. “Os defensores da matança que estão no governo japonês podem pensar que isso é justificado por razões culturais e de culinárias, mas eles estão só decrescendo a ‘Marca Japão.’

Essa imagem, em excessão, foi obtida na Islândia.
Essa imagem, em excessão, foi obtida na Islândia.

“Além disso, para a imagem pública mundial do Japão, o retorno dessa atividade é uma proposta extremamente perdedora. É uma letra escarlate diplomática que influencia negativamente a opinião pública na Europa, América do Norte e Austrália ao longo de um programa que usa o dinheiro do contribuinte para matar algo que quase ninguém anseia -. Tudo por causa de uma identidade nacional que poucos abraçam”. Neste ponto, não está claro se quaisquer novos desafios legais ou consequências resultarão da decisão unilateral do Japão de retomar a caça de baleias, mas é improvável que este seja o último caso.

Deixe seu comentário