Cientistas revelam ondas de poeiras inexplicáveis ao redor de estrela

Using images from ESO’s Very Large Telescope and the NASA/ESA Hubble Space Telescope, astronomers have discovered fast-moving wave-like features in the dusty disc around the nearby star AU Microscopii. These odd structures are unlike anything ever observed, or even predicted, before now. The top row shows a Hubble image of the AU Mic disc from 2010, the middle row Hubble from 2011 and the bottom row VLT/SPHERE data from 2014. The black central circles show where the brilliant light of the central star has been blocked off to reveal the much fainter disc, and the position of the star is indicated schematically. The scale bar at the top of the picture indicates the diameter of the orbit of the planet Neptune in the Solar System (60 AU). Note that the brightness of the outer parts of the disc has been artificially brightened to reveal the faint structure.
(Reprodução/Nasa)

Utilizando imagens do telescópico Hubble, da Nasa, astrônomos descobriram uma estrutura nunca antes vista no espaço envolvendo uma estrela próxima à Terra. As características de movimento rápido em formas de ondas ao redor do astro são diferentes de tudo que os estudiosos já viram ou até mesmo previram. Um mistério agora assola como e porque tal movimento se dá. Os resultados da investigação foram publicados na revista científica ‘Nature’.

A AU Microscopii é uma pequena e próxima estrela que está coberta por enormes discos de poeiras. Estudos de tais estruturas podem dar dicas valiosas sobre como planetas, que se formam a partir destes discos, são criados. Astrônomos têm feito buscas por quaisquer sinais de aglomerações ou deformações, como possíveis dicas para aproximá-los da localização de possíveis planetas. Em 2014, eles utilizaram um equipamento de alto grau de contraste e fizeram uma descoberta pouco usual.

“As imagens nos mostraram formações impossíveis de serem explicadas nos discos, que se organizam em forma de arcos ou ondas, diferente de tudo que já vimos”, escreveu Anthony Boccaletti, do Observatório de Paris, e cientista chefe da pesquisa.

De acordo com ele, as ondulações misteriosas movimentam-se a uma surpreendente velocidade de 40 mil km/h. Alguns dos anéis estão circulando em uma velocidade tão alta que correm o risco de se desprenderem do campo gravitacional da AU Microscopii.

O astro central do estudo está a cerca de 32 anos-luz da terra e tem uma massa que corresponde à metade da do Sol. Por conta de seu peso grande e seu disco de detritos irregular, os estudiosos têm mantido uma atenção especial a ela. Porém, o cenário que explicaria a razão deles continua apenas no campo especulativo. Provavelmente um telescópio ainda mais especializado e maior deverá ser usado para dar continuidade à pesquisa.

fonte: yahoo

Deixe seu comentário